Sobrevivendo ao Louvre e a Torre Eiffel

Nasci velha, odeio fila e odeio multidão. Isso posto, sempre fico num dilema enorme se tenho um puta programa legal pela frente que envolve aglomerações e filas. Agora, se você é implicante como eu mas achou uma boa ideia se enfiar na cidade mais visitada do mundo, o problema é todinho seu.

Turista basicamente é um ser chato. Acha que o mundo inteiro está de férias como ele, se comporta como se estivesse visitando um zoológico de pessoas, tira fotos de qualquer caca de cachorro que encontra pelo chão e ama um programa de índio. Mas toda viagem tem a versão babaca, essa que você basicamente sofre e tira fotos do que mal viu, e a versão legal. De forma que eu me preparo pra sempre transformar meu potencial programa de índio  em um evento legal, e minimizar filas e multidões o máximo possível. As regras básicas para Paris são:

1 – Não passe o final de semana lá.

2 – Se passar, visite tudo o que não seja top top.

3 – Se você não seguiu as regras 1 e 2, aguente, ninguém mandou.

E a regra de ouro que não devia nem comentar mas vou:

ENFIE ALGO CONFORTÁVEL NO PÉ. Rodar um museu por horas a fio de salto alto porque em Paris tem que ser chique é a piada do milênio.

Vamos considerar dois destinos imperdíveis e lotados  – Metro da Sé as 6 da tarde manda lembranças:

Louvre sem arrancar os cabelos

“ei moça, me vê dois ingressos aí!”

Nenhum museu ganha na categoria filas e multidões alucinadas. Não tem cabimento admirar uma obra de Michelangelo com bilhões de pessoas disputando cada centímetro do chão com você. Mas existe uma alternativa perfeita chamada QUARTA-FEIRA A NOITE. Sexta a noite também tem. Uma ideia brilhante da administração, quando você pode visitar o museu enquanto os grupos de excursão estão nos hotéis se preparando pra jantar em algum restaurante bem turisticão, lugar onde você também não irá pois sabe que bom mesmo é comer onde os locais comem.  Cheguei as 17hs,  fiquei lá dentro até as 22hs, meio na correria pra ver tudo o que eu queria, mas sem multidão alguma e nenhuma fila.  O paraíso.

me diz se tem algum sentido esse careca tirando uma foto ruim da Monalisa a 1 km de distância só pra provar que entrou no Louvre

O museu é um colosso gigantesco, é impossível visitar tudo, nem tente. Li uma vez sobre um cara que quis conhecer tudo e já tinha ido 75 vezes lá, e ainda faltavam coisas. Haja tempo (pelo menos ele era aposentado e não pagava, você deixa no mínimo 11,60 euros lá – algumas mostras cobram à parte). Pesquise antes as alas e obras que faz questão de ver, e se concentre nelas. Se você não tem ideia do que quer ver fora a Monalisa e a Vênus de Milo, o guia que eles distribuem no guichê de informações é ótimo e te mostra as principais obras de cada setor, tem até em português (em breve um post específico sobre a MINHA lista de obras imperdíveis do Louvre – melhor que o guia oficial, HA!).

Dá pra economizar mais tempo ainda comprando os tickets pelo site da FNAC . Ou se você tem planos de visitar vários museus,  vale a pena considerar o Paris Museum Pass, para 2 dias você paga €39 e visita o quanto puder. Tudo questão de planejamento.  No site oficial do Louvre tem várias informações.

ATENÇÃO PARA A ROUBADA – Você provavelmente vai dar pulinhos de alegria ao ouvir que no primeiro domingo do mês os museus são de graça. Fuja, mas fuja muito. A não ser que sua ideia de diversão seja a foto ali de cima, ou se só entrar no Louvre pra você já tá bom. Museus menos concorridos valem a consideração.

Ah, essas lindas que me ajudam a escrever o brógui. A Mirelle, do 13 anos depois, me falou aqui em off que visitou o Louvre em um desses primeiros domingos do mês e a fila, apesar de gigante, andou rapidinho. Ela recomenda, mas por outro lado ela gosta do que as multidões não tão nem aí, e nesse caso todos ficam felizes. A multidão de um lado e ela do outro.

Como não se jogar da Torre Eiffel

Eu tive duas grandes surpresas com monumentos na vida: a primeira foi a decepção quando eu conheci a Estátua da Liberdade e ela é nanica perto do que eu achava que era, e a segunda foi conhecer a Torre Eiffel e caceta, ela é muito maior do que parece nas fotos.

Os parisienses nunca aprovaram a construção, estão nesse mimimi a mais de 100 anos e são meio que unânimes em afirmar que amam a visão de cima da torre, pois é o único ponto da cidade de onde você não consegue enxergá-la. Mau humorados.

ói que bunita as tia tudo de lenço verde de bandeira do Brasil combinando pra não se perde na fila da torre

A torre certamente ganha o primeiro prêmio no concurso de lugares irritantes. A vista lá de cima é linda, a torre é linda, mas os batalhões felizes de gente com bandeirolas e camisas do Brasil e de outros lugares se empilhando nas filas estraga tudo.

Antes de subir, vá de metrô até a estação Trocadero, onde fica uma praça com o mesmo nome e é o melhor ponto de fotos da torre. Sempre tem bastante gente por lá, mas com um dia bonito, um pouquinho de paciência e malabarismo você tira fotos ótimas.  Depois que anoitece até lá pelas 22 hrs, em toda hora cheia a torre vira uma árvore de Natal com luzinhas piscantes por 10 minutos. Vale a pena sentar nos degraus da praça pra assistir de um ótimo ângulo. Quando eu fiz isso, assisti as luzinhas ao som de DUAS bandinhas de flautas bolivianas. Espero que você tenha mais sorte.

Se você realmente decidiu encarar e ver o mundo lá de cima, são 3 opções: pagando MUITO caro (€14,00) e esperando MUITO tempo na fila pra ir de elevador até a última plataforma, pagando um valor médio (€8,50) e esperando MUITO tempo na fila pra ir com o elevador até a plataforma do meio ou comprando o passe mindingo (€4,0), não enfrentando quase nada de fila e subindo a pé. Chuta qual eu comprei.

Bobinhos, ninguém vai a pé até o topo da torre, vai apenas até a plataforma do meio. São  674 degraus, moleza comparados aos 1600 e poucos até o topo. Mas é proibido subir de escada até lá.

Nessa hora você pensa “ai que horror subir a pé, cruzes”, muito pior é enfrentar três horas de fila pro elevador com grupos chatos de turistas em volta, tá?

Os 300 degraus até a primeira plataforma foram num fôlego só, mas tive que parar e comprar uma água (com barras de ouro que valem mais do que dinheiro) pra vencer os outros 300 e tantos. Na segunda etapa eu já me sentia subindo o Everest, o ar ficando rarefeito, os pés  pesados, já pensando em largar o peso inútil (bolsa, casaco, dignidade) pelo caminho. Mas era animada por quem vinha descendo com urras de “tá quase lá!”. Filhos da mãe, fácil ficar animado na descida. As crianças que vinham contando os degraus em voz alta só estão vivas hoje porque a escada é protegida por grades altas.

Não se deixe enganar pelo dia de sol, lá em cima venta como um tornado e o frio triplica. Mesmo assim, vale a pena, a vista é fantástica. O alcance da  visão da terceira plataforma é melhor com certeza, deve dar pra ver Portugal de lá, mas considerando o custo benefício eu ainda não trocaria ter ido a pé até a segunda. Ficamos um bom tempo lá em cima, e quando descemos vimos as mesmas pessoas na fila do elevador, quaaaaase conseguindo.

não disse que a vista compensa? na próxima você acredita em mim sem pestanejar.

olha a Praça do Trocadero ali atrás, e o La Defense beeem lá atras!

Compensamos todo o cansaço da subida com um piquenique na grama do Champs de Mars, assistindo o pôr do sol comendo baguete com queijo. Na verdade, quase tudo terminava com queijo. Nunca na vida achei que um dia seria normal andar com um pedaço de Camembert na bolsa o dia inteiro.

Abri o site da Torre e dei de cara com esse coraçãozinho com as mãos. Ainda não sei bem como lidar com essa informação.

Gostou? Aproveita e me segue no Twitter! 😀 

Anúncios
Categorias: Informações práticas, Mão de vaca, Passeios em Paris | Tags: , , | 35 Comentários

Navegação de Posts

35 opiniões sobre “Sobrevivendo ao Louvre e a Torre Eiffel

  1. kkkkk. Rachei de rir com o seu relato. Obg por compartilhar!

    • Imagina Roger, que seria da gente se todo mundo viajasse com cara de modelo de Instagram, né? Sempre vai ter eu pra contar os podres e micos, pode deixar!

  2. Menina, você é demais. Depois de 6 meses programando a minha viagem para a Europa, incluindo Paris, revirei a internet buscando dicas. Tem aquele “blog” que só tem foto do(a) turista, com cara de… “turista!!!”, Dicas que é bom, naaada. Outros tem dicas que não servem para nadinha!

  3. Fui para a Torre Montparnasse, pois a Torre Eiffel estava com fila de 4h. Não podia subir a pé porque estava operada há apenas um mês e o médico recomendou que eu não me esforçasse.

  4. Anônimo

    Meu, você é muito chata.

  5. Anônimo

    Rindo litros do seu texto, obrigada pelas dicas.

  6. Raphael

    Complementando minha pergunta: domingo seria o pior dia para visitar o Louvre?

  7. Raphael

    Oi Lizzie, me divertindo bastante com seus posts!
    Irei a Paris no início de junho e gostaria de saber se nesta época este caos mencionado já é uma realidade.
    Inocentemente coloquei a visita ao Louvre no domingo em meu itinerário rs! Vou remarcar para a quarta-feira e ficar até a noite.
    Obrigado pelas dicas, o que você faz é de utilidade pública!

    • Oi Raphael! Que om que você tá se divertindo! Olha, não estava lá em Junho (mas estarei este ano também, vamos na mesma época!), mas final de semana é SEMPRE um caos. Melhor coisa que você faz é remarcar Louvre e deixar alguma coisa mais sussa pra domingo. Quanto a caos, acredito que Julho seja pior, mas lá não tem muito jeito, o que dá pra fazer é andar no contrafluxo! Abraços!

  8. Divany

    Muito divertido! Ri à beça, me identifiquei totalmente… Vou pela primeira vez (e já sou velhinha). Deseje-me sorte…

  9. Querida Lizzie estou sempre antenadíssima com vc através do blog e de suas postagens. Sobrevivi ao Louvre sim, e a Torre la cima também.Mesmo. Amei . Mas o que me deixou hiper frustrada é não ter conseguido ver tudo o que eu queria”mesmo” no museu do Louvre. o guiA nos deixou no “grand palais” as 16 horas e a saida ja estava “programada” para as 17 horas no estacionamento…Irritante…quem viu o quê?Já estou programando a próxima viagem no verão de 2014 traveis. Paris me enfeitiçou. dessa vez,nada de operadoras s enlouquecidas,que ao chegar la te entregam para as “condor vacaciones” da vida- ôh pessoal sem educação e nem preparo. fujam dessa operadora viu,gente? Vou “solo” mesmo (minhas amigas são todas umas molengas…rsrsrs e não querem viajar..)e vai ser bem melhor,quero curtir os euro trens ,dos quais não tinha nem chegado perto em 2012. Só as viagens rodoviárias de um país a outro em ônibus tão desconfortáveis.Mas aprendi…os trens são fantásticos e agora , vou curtir esse lado também.
    Querida Lizzie, sou tua fã! Beijos da Vera

    • Vera querida! Eu demoro mas respondo! Que bom que você curtiu tanto dessa vez, mas desencane de ver tudo no Louvre, é uma tarefa inglória! Mas na próxima vá sem guia, odeio gente me “guiando” a fazer as coisas rápido. Guia mesmo só o Antoine (ainda vou escrever sobre ele) que me levou no passeio mais delicioso do mundo no Quartier Latin. Beijo querida! De repente a gente se vê em Paris em 2014!

  10. Maria Cordeiro

    Amei Paris, participei da corrida Paris-Versalles, foi maravilhoso!!! subi na torre as 5 da tarde e sai de lá as 22 horas….não peguei fila,eu fui com grupo guiado…foi muito legal..

  11. Lizzie, eu te agradeço de montão, o blog: estou me divertindo bastante lendo tudo. Vou me aventurar em terras parisienses em 7 de Agosto próximo e fico uns 5 dias na cidade. Meio que programa de indio mesmo. Como a minha grande e única expectativa é visitar o Museu do Louvre,desejo de toda uma vida, estou afunilando meus interesse com suas dicas.
    Abraço enorme da Vera

    • Oi Vera, que legal que apareceu por aqui, seja bem vinda! O blog anda meio empoeirado, ando atualizando menos do que devia, mas já que seu esquema é o Louvre, antes de você ir prometo que posto meu guia pessoal imperdível, ok? Beijão!

      • EITA, AGORA É QUE EU FICO MAIS SEGURA!RSRSRS… ESTAVA MEIO “JURURU”:( ESSA É PROCÊ LEMBRAR DOS CAIPIRAS AQUI DO BRASIL). VAMOS NOS FALANDO SIM, LIZZI,SUPER GRATA PELO CARINHO QUE SÓ OS BRAZUCAS POSSUEM.DISPONHA DE SAMPA, ESSA MEGALÓPOLIS DESVAIRADA. BEIJOCAS

  12. Adimilson Moreira dos Santos

    Eu fui para Paris em Outubro, fiquei uma semana, subi na Torre a noite e nem peguei fila, a vista de la de cima é maravilhosa. E no Louvre não estava lotado deu para tirar foto de pertinho da Monalisa. Ficamos no Hotel Adágio Tour Eiffel, nosso quarto ficava de frente com a torre a poucos metros, foi fomidável. Pretendo voltar na cidade Luz.

    • oi Adimilson, acho que Outubro é um dos melhores meses pra visitar, não tem muitas multidões, nem os preços de alta temporada e o frio ainda é bem suportável. Volte sim! Eu vou voltar com certeza, muitas vezes se possível!

  13. Jacqueline

    Da janela do apê alugado, aquele pertinho de Montmartre, eu via a torre piscando até a 1 hora da madruga. Era lindo lavar a louça olhando aquela caríssima árvore de Natal. Mas não subi. Ninguém ninguém ninguém odeia mais fila do que eu. Fui até a torre várias e várias vezes à tarde e à noitinha. Tenho até fotos em que aparecem um bando de aloprados com camisa da seleção brasileira (pra que diabos isso?)
    No Louvre, fui no grátis e só vi a Mona Lisa da porta. De raiva, fiz uma montagem perfeita ao lado dela.
    Na próxima, subo na torre e entro na sala da Mona. Prometido a mim mesma.

  14. Não tem pra ninguém, a Torre Eiffel é a queridinha e se vc não viu, é porque não esteve em Paris!!
    Será que tem alguém que não ama?? (até “alguns” franceses amam, vi vários casais com seus filhinhos e os pais mostrando Paris pra eles, que fofuras!)

    Eu sou suspeita, pois com certeza a Torre era meu principal objetivo em Paris. Eu fui até o segundo andar (de elevador, putz eu tava andando desde às 9 da manha vindo de lá do Jardim de Luxemburgo!!!) depois de 2 horas e meia de fila em pleno sabadãããoo à tarde. Mas nem reclamo, porque mesmo assim pra mim tava tudo ótimo, eu tava em Paris !!
    Depois lá em cima como vc disse vai valer a pena sim!! Eu falo pra todo mundo subir na Torre, nada dessa historinha de que se vc subir na Torre não vai ver o principal de Paris, justamente: a Torre !!!

    E o que era ver Champ de Mars aos nossos pés lá de cima!!! :O

    E sobre o pisca-pisca da Torre (hahaha) quando é horário de inverno começa às 20h/21h/22h e assim por diante e são só por 5 minutinhos, e é lindo né !! (mas também depois de uns dias que a gente se acostuma acaba virando “referência” das horas, quando ela pisca a gente olha no relógio e fala: ahh sim já são 11h kkkk)

    Detalhe que na fila pra subir é claro que tinha um grupo de brasileirada, e eu lá fingindo que não entendia nada e que nem era brasileira pra não me misturá huahauhua foi dificil não rir das barbaridades que eles falavam, mas eu consegui e sobrevivi! kkkkk

    Beijos, adorei muito o post!

    inté

  15. Alanna.

    Olá Lisiane, descobri seu blog por acaso essa semana e to adorando….

    Estou super me identificando também!Rsrsrs…

    Olha,to indo pra Paris ” viver como francesa” segunda que vem (dia 14).Vou ficar 2 meses.Na verdade , essa parte turística já foi cumprida quando estive lá em dezembro…e, agora, serei mais cidadã (espero!) e dona de casa( meu namorado mora lá e estou indo pra ficar com ele!).

    Bom,tava querendo fazer um curso pra dar mais objetivo à viagem( estudei francês aqui por 2 anos,mas qdo estive lá, vi que meu francês tá muuuuuitooooo aquém da realidade…rs).Bom,mas ainda não sei se vai rolar a escola,já que tb não sou bancada pelo Eike Batista e tb vou ficar um tempo em Portugal no meio da viagem…

    Vi em outro post que vc falou de praticar o idiomas com voluntários…como é isso?!Como achar essas pessoas que tenham interesse por português?!Sei que , através da escola, ficaria mais fácil…mas se houver um site ou local assim , estou topando( mandei um email pra uma cooperativa que parece que faz isso,mas nunca obtive resposta…)

    Enfim,quero preencher meu tempo com essas coisas inusitadas e interessantes que fogem do circuito “torre-louvre-monmartre” (mas é claro que vou repetir a dose por lá…rsrsr)

    Aceito dicas!;)

    • Oi Alanna, que legal que você vai “virar francesa” também! Eu estou aqui em campanha pra convencer os outros 50% da casa a um dia embarcar nessa de vez.
      Olha, se você achar que vale a pena gastar mais, eu recomendo MUITO a escola em que estudei lá (tem post aí sobre ela, além de muito boa é b em em conta), mas a parada de aprender conhecendo gente é bem legal também e grátis, né. O site é http://www.conversationexchange.com/, não tem versão em português mas é fácil de se virar. Como não tem taaaaaanta gente querendo trocar francês por português, te aconselho a já se cadastrar e avisar quando você chega, assim já consegue agendar os primeiros encontros!
      Se quiser me escrever por email fique a vontade! lisibatista@yahoo.com.

      beijinhos

    • Ah, esqueci de falar da cooperativa, tem umas legais mas em inglês, você paga uns 10 euros e eles agendam. Olha, acho que pelo site vale mais a pena! Tem muita gente cobrando pra fazer por você o que você pode fazer sozinha.

      • Alanna.

        Oi Lizzie, obrigada pela resposta…vou dar uma olhada no site e me cadastrar. E ,se por acaso , rolar a escola , vou analisar essa que vc indicou…=)

        Tb to tentando fazer um blog pra falar das minhas experiências parisienses ,mas acho que não terei a sua desenvoltura (nem paciência) para escrever…rsrsr

        Estarei sempre por aqui e no FB tb…

        Beijinhos!

  16. A torre está sempre lotada, mas jah fui diversas vezes no Louvre (geralmente em finais de semana, domingos gratuitos) e com exceção da sala da Mona Lisa, as demais são bem tranquilas!!! Os turistas correm para essa ela e esquecem das outras! Mesmo que tenha um pouco de fila para entrar, é só o tempo de cada um colocar os seus pertences na esteira e todo mundo entra rapidinho!
    Falou tudo, a melhor dica é um sapato confortável para percorrer os 25km de galerias do Louvre!!!
    Quando subi pela primeira vez na torre, foi eplas escadas… Praticamente não tinha fila para comprar a entrada, e na subida não encontramos ninguém (todo mundo sobre de elevador!)!!! Foi muito divertido!

    • Milena, ouvi falar tão mal dos domingos grátis nos museus, e agora vocês falando que foi tranquilo, acho que vou ter que rever meus conceitos! Mas é verdade, mesmo quando fui à noite parece que todo mundo só sabe que existe Monalisa naquele lugar, e a maior parte do tumulto é composta por gente que não tá nem aí pro quadro, mas sim pra que pose vai fazer em frente a ele. Isso já me irrita e perco a paciência na hora, então não consegui achar nada de especial nela, definitivamente não está na minha lista de imperdíveis.

      • Lizzie, onde ainda fui mais uma vez no LOuvre (domingo gratuito) e onde eu estava na fila tinha um cartaz anunciando que o tempo de espera era 1h30. Coloquei o cronômetro, e em menos de 25 minutos eu estava na sala da exposição do Leonardo da Vinci (a exposição temporária), mesmo tendo passado para comprar o ingresso dessa exposição, que não é gratuita. Então foi realmente traquilo. Mas nesses dias não aconselho visitar essas alas mais povoadas, como a da Gioconda.

        • Não consigo apagar para corrigir os erros aqui nos seus comentários. Eu quis dizer *hoje e *tranqüilo 😦

          • Oi Milena, o WordPress tá dando um baile com os comentários, ou não deixa apagar ou nos casos mais graves nem comentar dá.
            Olha, realmente vou economizar na próxima visita se estiver lá no primeiro domingo do mês, viu? Bem melhor do que parece. Beijos!

  17. Anônimo

    Olha só, do Morumbi até o topo da torre Eiffel leva:
    2 horas até guarulhos
    3 horas pra pegar o voo
    11 horas de voo
    2 horas pra ir do CDG até a base da torre
    2 horas de fila…

    E você deixou de ir até o 3eme etage por causa das ultias 2 horas? E a proposito, com a compra da água, não ficou mais caro ir de escada? huahuahau

    Parabens pelo post, muito divertido!!!!

  18. hahahahahaha muito bom! mas minha gente, nao tinha noçao do tormento pra chegar ao topo dessa torre. imagino:

    – fulano morreu na torre effeil.
    – caiu dela?
    – nao, foi subindo mesmo.

    😦

    mas nem depois desse post eu tenho vontade de subir na torre. preciso evitar a fadiga.

    • Por todas as razões descritas essa será a minha resposta para qualquer futuro convite de subir aquele projeto de Everest. Uma vez tá bom

  19. Gabriela

    Fotos e suas descrições fantásticas! Texto informativo e muito, muito divertido. Quero acompanhar todos os posts.

  20. Anônimo

    no rio, deviam botar a mão de zé do caixão pra fazer coraçãozinho ao redor do cristo redentor. ficaria melhor

Comente aí

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: